Publicador de Conteúdos e Mídias

30.07.21

Projeto Puma reduz 1.800 trabalhadores em maio

Outros 2 mil profissionais devem deixar as obras em junho

A Klabin informa que já começou a desmobilização dos trabalhadores da fase 1 do Projeto Puma II, que está próxima do fim, com início da operação previsto para julho. Cerca de 800 trabalhadores já retornaram para seus destinos e, ainda em maio, outros 1 mil deverão finalizar seu período de trabalho. Em junho, mais 2 mil trabalhadores deverão deixar a obra.

A empresa mantém protocolos rigorosos de prevenção contra o Coronavírus e, graças a isso, o número de trabalhadores infectados na obra tem sido pequeno diante dos números verificados na cidade. Atualmente, o Projeto Puma II tem 77 casos ativos entre os trabalhadores. Destes, 63 foram registrados em Telêmaco Borba, o que corresponde a 5% dos 1.273 casos (segundo dados da Secretaria Municipal de Saúde em 18/05/2021) ativos no município. Dos 63 profissionais, 30 são moradores locais.

Desta forma, é possível verificar que a maior causa das contaminações na cidade não está associada aos trabalhadores do projeto, muito menos aos que vêm de fora. Igualmente, a lotação dos hospitais na região não se deve às obras. Atualmente, há 3 trabalhadores do Projeto Puma II internados em Telêmaco Borba.

Nos protocolos atuais da Klabin e suas contratadas, os funcionários que vêm de outras localidades são testados no seu local de origem, antes de viajarem, e passam por um novo teste e avaliação clínica antes da liberação para o trabalho e acesso ao canteiro de obras.

A Klabin também monitora diariamente os casos positivos e suspeitos entre trabalhadores do Projeto Puma II, assim como a presença de eventuais sintomas do vírus, o estado de saúde e a recuperação dos profissionais da obra. A companhia e suas contratadas realizam testagens frequentes e aleatórias dos trabalhadores, mesmo entre os moradores da região.

Os profissionais, tanto moradores da região, quanto os alojados nos residenciais e nas repúblicas, são orientados a cumprir as regras de saúde e segurança definidas pelas autoridades de saúde. Todos esses locais são monitorados e fiscalizados por empresa contratada para esse fim específico. Diante do agravamento da situação da pandemia no Paraná, a Klabin e suas empresas contratadas reforçarão a estrutura de fiscalização.

A companhia já destinou mais de R$ 5 milhões ao estado do Paraná para enfrentamento da pandemia desde seu início, em março de 2020.

Nos municípios da 21ª Regional de Saúde do Paraná, a Klabin reformou e colocou em funcionamento o Hospital Regional de Campanha, comprou respiradores, milhares de testes para a detecção do Coronavírus, equipamentos de proteção individual (EPIs), além de contratar 20 profissionais de saúde para apoio ao setor somente em Telêmaco Borba.

Recentemente, a Klabin ainda contribuiu com a abertura de mais cinco leitos de UTI no Instituto Doutor Feitosa, por meio da doação de 5 respiradores e custeio dos leitos. A companhia também doou 25 concentradores de oxigênio para a Unidade de Pronto Atendimento, medicamentos do “kit intubação” para o IDF, e 10 bombas de infusão de medicamentos e alimentação para os sete municípios da 21ª Regional.

A Klabin reitera sua atuação firme e de acordo com os mais rigorosos protocolos de prevenção à Covid-19. A empresa participa ativamente do Comitê Intersetorial de Enfrentamento à COVID-19 de Telêmaco Borba que, desde o começo da pandemia, tem tratado de todas as questões relacionadas ao combate do novo Coronavírus. A empresa fornece informações de forma contínua e transparente, e passa por fiscalizações frequentes dos órgãos de Vigilância Sanitária, seja em suas operações industriais e florestais, seja no projeto de expansão em Ortigueira.